09 Jul 2020


ABC aguarda nova classificação para reabertura econômica

Publicado em Política
Avalie este item
(0 votos)

Apesar das tentativas dos prefeitos do ABC, por meio do Consórcio Intermunicipal, desde sábado (30) de maio, o governador João Doria não cedeu às pressões dos prefeitos locais e não acatou aos pedidos de reclassificação da região, para o início da reabertura do comércio.

A região segue na fase 1 (vermelha), onde apenas estabelecimentos de serviços essenciais podem funcionar normalmente. Não foi liberada a reabertura aos demais comércios, até uma próxima análise, que deverá acontecer, nesta terça (9). Caso haja, efetivamente, uma reavaliação, o governador poderá anunciar a permissão para a reabertura gradual no ABC, na quarta (10).

O ABC registrou, até quarta (3), índice de ocupação de 57,17% em leitos de UTIs e 41,8% em leitos de enfermaria. Já em relação a outro critério de análise do Centro de Contingência do Coronavírus em São Paulo, para avaliar a flexibilização, o índice de isolamento social, Santo André atingiu marcas de 47%; São Bernardo e São Caetano, 46%; Diadema, 44%; Mauá, 43% e Ribeirão Pires, 47%.

Governador

Durante coletiva de imprensa, na quarta (3), Doria ressaltou que o Estado não ‘liberou geral’ e que a reabertura da economia será “serena, gradual e sequencial” e enfatizou: “não cederemos às pressões, nem de prefeitos, nem de empresários ou de outros setores. Não será adotada nenhuma pressão. A pressão não mudará destino e a conduta para a tomada de decisões em São Paulo”. O governador ainda completou: “os prefeitos não vão transformar a reabertura em celebração, em uma festa da reabertura”.

Prefeitos

Na noite de quarta (3), os prefeitos do ABC, realizaram lives para comentar sobre a decisão do governador.

Tanto o prefeito Paulo Serra (Santo André), quanto o de São Bernardo (Orlando Morando) defenderam a equiparação do ABC à São Paulo, que já está classificada na fase 2 (laranja), que permite a reabertura gradual de setores como imobiliárias, concessionárias, comércios, shoppings, com restrições, porém, ainda segue na fase 1 (vermelha), com prorrogação da quarentena até 15 de junho.

O prefeito de São Bernardo, Orlando Morando, avaliou que: “o município vai seguir a ciência e que a ciência siga São Bernardo também. Se é para abrir a Capital, abra o ABC também. Vou seguir a coerência. Não queremos pessoas de São Paulo vindo infectar o nosso ABC e, nem que os moradores do ABC vão para a Capital se infectar. Se o governador abrir a Capital, vamos abrir em São Bernardo, mesmo sem ele deixar, seguimos a lógica e a ciência. Critico porque quero coerência e bom senso. O vírus não tem aliado político, amigo”.

Paulo Serra, prefeito de Santo André, endossou o discurso de Morando. “Pouco importa se o governador anunciar ou não a flexibilização para o ABC. Já estamos preparados para a fase laranja. Foi uma grande injustiça com a nossa região. Temos índices bem melhores que a Capital. Independente da avaliação do Governo do Estado, dos critérios científicos, temos os nosso planejamento, Santo André tem índices para reabrir e vamos reabrir em 15 de junho, apesar de ter a convicção que isso seja aprovado para os próximos dias”, enfatizou.

Já o prefeito José Auricchio, de São Caetano, em tom mais sereno, relembrou: “O Supremo Tribunal Federal (STF) já deu prerrogativas aos municípios para que endureçam as medidas contra o coronavírus, porém, não para divergir os decretos dos governadores. Os municípios que tentaram flexibilizar antecipadamente tiveram medidas jurídicas e foram obrigados a revogar essas decisões e trazer de volta a um grau maior de isolamento. Não tomaremos medidas irresponsáveis, vamos continuar nos baseando nos números, em nossa experiência, sempre, nos preocupando em salvar vidas”. E completou: “Frente a indicadores de outros municípios do ABC, devemos ser prudentes. Faço coro a essa prudência de ainda não liberar a região para a fase 2 (laranja)”, disse.

Consórcio

O presidente do Consórcio ABC e prefeito de Rio Grande da Serra, Gabriel Maranhão, ressaltou que a região atendeu a uma série de critérios que permitiriam a reclassificação. “Nossos números têm condições de passar para a fase 2 e iniciar uma retomada gradual e consciente. O ABC oferece 30 leitos de UTI para cada 100 mil habitantes, enquanto que a exigência mínima é de 10 leitos”, afirmou Maranhão. Também destacou a visita anunciada pelo do secretário estadual de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, ao Quarteirão da Saúde, em Diadema, para credenciar novos leitos destinados a casos de Covid-19 na região. Agendada para este sábado (6), às 10h, a visita será acompanhada por técnicos da Saúde do Governo do Estado.

Última modificação em Sexta, 05 Junho 2020 13:11
Folha Do ABC

A FOLHA DO ABC traz o melhor conteúdo noticioso, sempre colocando o ABC em 1º lugar. É o jornal de maior credibilidade da região
Nossa publicação traz uma cobertura completa de tudo o que acontece na região do ABCDM.

Destaques

Visite-nos no Facebook

Main Menu

Main Menu